A Razão Pela Qual Jurar Que Nunca Serás Como Os Teus Pais Nunca Funciona - Kris Vallotton

Outubro 11, 2017

Eu já aconselhei muitas pessoas ao longo dos anos e observei um padrão comum em muitas delas: Tipicamente, as pessoas tornam-se como a pessoa que elas mais desprezam. Alcoólicos, por exemplo, são geralmente criados por pais alcoólicos. Há sempre um momento na sessão de aconselhamento em que a pessoa diz algo assim, “Eu jurei que nunca seria como a pessoa que me abusava, mas eu acabei tornando-me como ela.” Eu próprio conheço muito bem este problema.

O nosso passado pode tornar-se uma prisão que perpétua o cativeiro daqueles que nos têm magoado primeiramente. De alguma forma, nós, sem querermos, reproduzimos essa mesma cultura destrutiva dentro de nós e à nossa volta. Há algumas formas de isso acontecer dentro de nós. Uma das formas como nos atamos ao passado é reagindo àqueles que nos abusaram, gastando as nossas vidas tentando não ser como eles.

Eu Tornei-me Como Os Meus Padrastos

Apesar de me esforçar para não ser como os meus padrastos durante a maior parte do início da minha vida, eu comecei a tornar-me um homem violento, tal como eles.

Durante os meus vinte e poucos anos de idade eu fui gerente de uma loja de reparação de automóveis. O meu temperamento já estava a ficar fora de controle. Eu lembro-me de um desses momentos claramente. Um cliente veio para buscar o seu carro, mas nós estávamos atrasados e o a carro ainda não estava pronto. O senhor tinha que estar num sítio e por isso, estava um pouco zangado. Ele continuava a entrar na loja e perguntava se já estava tudo pronto. A terceira vez que ele entrou na loja, eu fiquei tão irritado que peguei numa chave inglesa de meio metro de comprimento e joguei até ao outro lado da loja. Ainda bem que ele se abaixou porque iria direito à sua cabeça.

Nós Tornamo-nos Aquilo Que Imaginamos

Eu estava a tornar-me exatamente a pessoa que eu desprezava. Um dia, eu estava a ler o Velho Testamento e comecei a ganhar revelação sobre o meu problema através da história de Jacob e o seu sogro. Jacob casou com uma família que lhe deu do seu próprio “veneno”. Ele trabalhou para o seu sogro, Labão, por sete anos para que pudesse casar-se com Raquel. Quando ele acordou da sua noite de núpcias, era Lea que estava na sua cama. Labão não lhe disse que a tradição da família ditava que a mais velha teria de casar primeiro. Com esse truque, Labão acabou por conseguir que Jacob trabalhasse por mais sete anos, pois este ainda queria Raquel. Felizmente, ele conseguiu! Ele a recebeu uma semana depois e, de seguida, pagou por pequenas parcelas mensais nos sete anos seguintes.

Depois de 14 anos de desonestidade e falta de confiança, Jacob estava pronto para se ir embora. Ele pediu ao seu sogro o que lhe pertencia para que ele pudesse ir à sua vida. Labão não era parvo nenhum. Ele sabia que Jacob estava a fazer-lhe uma fortuna. Labão disse a Jacob para nomear seu salário e ficar com ele. Jacob sabia que, não importa quais fossem os seus salários, o seu sogro acharia sempre alguma forma de enganá-lo. Ele disse, “Tu mudaste o meu salário dez vezes!” Jacob disse a Labão que ele trabalharia para todas as ovelhas e cabras manchadas e salpicadas. Estes animais seriam o seu salário. E eles fizeram um acordo.

O Que é Que Está Nas Pias de Água?

Eu tenho a certeza que Labão pensou que conseguiu enganar Jacob outra vez, até porque havia muito poucos animais manchados e salpicados nos rebanhos. Mas a história continua com o desenrolar mais incomum. Jacob cortou ramos, limpando-os da casca, depois colocou-os à frente das pias de água onde os animais iam beber e acasalar. Isto resultou em ovelhas e cabras mais fortes que deram origem a animais manchados e salpicados. Em pouco tempo, Jacob tornou-se rico porque os seus rebanhos prosperaram enquanto os rebanhos de Labão eram fracos.

À medida que meditava nesta passagem, surgiu em mim que isto não é uma lição de agricultura! Deus estava a demonstrar como nós, as suas ovelhas, reproduzimos. O sítio onde vamos beber água é um sítio de reflexão, o que quer dizer, nós estamos a olhar para algo e a meditar nisso. Meditar involve imaginação. Se nós enchermos a nossa imaginação com pensamentos daquilo que não nos queremos tornar ou beber do poço do arrependimento, nós reproduzimos exatamente isso. Não importa o que nós queremos reproduzir. O que é mesmo importante é o que nós imaginamos enquanto pensamos e bebemos no bebedouro da nossa imaginação.

A Importância Da Nossa Imaginação

Provérbios diz, “Porque como imaginou na sua alma, assim é” (Prov. 23:7). A nossa imaginação é uma parte poderosa do nosso ser. Tudo o que já foi construído, feito, pintado ou desenvolvido começou na imaginação de alguém. Nós temos tendência a reproduzir aquilo que passamos a vida a pensar.

O que eu me estou a aperceber é que muitos de nós passamos a vida a reagir contra aquilo que não nos queremos tornar, em vez de, respondermos ao chamado de Deus para a nossa vida. Nós gastamos tanta energia a tentar não ser alguma coisa. Para que eu não possa ser alguma coisa, eu tenho de manter isso diante de mim, para que, assim, possa evitá-la. O engraçado é que eu reproduzo aquilo que eu imagino. Se eu vejo aquilo que eu não quero ser, só por ver, faz com que eu o reproduza. Isto explica o porquê de tantas pessoas crescerem a tratar mal as suas crianças, da mesma forma, como os pais as abusaram. Eles prometeram a si mesmos que nunca seriam como os seus pais, mas eles tornaram-se tal e qual.

Medita Na Visão

Nós saímos desta prisão respondendo ao chamado de Deus para as nossas vidas e meditando na visão Dele para nós. A palavra meditação está relacionada com a palavra medicina. Num sentido positivo, a meditação significa pensar de forma a tornar-se saudável. Nós tornamo-nos a pessoa que Ele nos chamou para ser quando nós meditamos nas coisas de Deus e sonhamos os Seus sonhos. O Salmista escreveu, “Deleita-te, também, no Senhor, e Ele te concederá o que deseja o teu coração.” (Salmos 37:4). Bill Johnson tem uma definição criativa para desejo. Ele divide-o em duas partes: “de” que significa “de,” e “sejo” que significa “para o pai.” Quando nós nos deleitamos no Senhor, em vez de, no passado, Ele torna-se o pai, “sejo” dos nossos sonhos. É fácil para ti focares-te no chamado que Deus tem para a tua vida, em vez de, no passado? Conta-me nos comentários!


Se estiveres interessado sobre mais coisas neste tópico, de encontrar a tua identidade real em Deus e ultrapassar a dor do passado, eu criei um currículo para acompanhar o meu livro, Supernatural Ways of Royalty. Sai a 17 de Outubro, mas tu podes pré-encomendar agora clicando aqui. O currículo incluí ensinamentos em DVD, um livro, um manual interativo para participantes e um guia de líder! É ótimo para trabalhar com grupos pequenos!

Topics: IdentidadeLiberdadeSem categoria


¡

comments