A Cultura I&D da Bethel - Kris Vallotton

Abril 15, 2016

Tem havido muitas coisas escritas sobre a Bethel Church e sobre o movimento que nós temos tido o privilégio de fazer parte por mais de três décadas. Muito do que é falado sobre nós é positivo. No entanto, uma pequena, mas influente coalizão de pessoas têm partilhado relatórios negativos sobre nós. Estes relatórios, muitas das vezes, incluem palavras como “controverso”, desequilibrado”, e até mesmo a palavra “seita” para nos descrever.

Para ser franco, eu consigo perceber porque é que alguns líderes religiosos e não crentes possam nos ver com estas perspectivas. Nós certamente fizemos a nossa cota de erros, tanto a equipa de liderança como aqueles que nos seguem. E nós temos um valor tão alto sobre liberdade e risco que fez com que se criasse um tipo de cultura de investigação e desenvolvimento onde as pessoas são encorajadas a correr riscos. Eu acho que isto acontece devido ao facto de que nós nos vemos mais como pioneiros do que colonizadores. E, por isso, nós celebramos a criatividade, a revelação, a invenção acima do conforto, protecção e segurança.

Cultura I&D

Esta cultura I&D (Investigação e Desenvolvimento) tem atraído alguns dos mais maravilhosos e extraordinários indivíduos do planeta. E claro, nós também conseguimos atrair algumas pessoas muito partidas e/ou estranhas. É importante relembrar que existe pessoas na Bíblia quebradas e muito estranhas que Deus usou de uma maneira poderosa. Indivíduos únicos como o João Baptista, Ezequiel e Oséias vêm à minha mente, tal como, pessoas quebradas como Raabe e Samsão. A Bethel tem escolhido ser uma família, e como tal, nós damos o nosso melhor para amar as pessoas, não importa a situação em que elas se encontram na vida, quer seja, em relação ao carácter, doutrina, opiniões políticas ou persuasões filosóficas.

Tal como as nossas famílias naturais (a quem não podemos escolher), Deus escolhe pessoas para fazer parte da nossa família espiritual, assim como Jacó, que andou coxo, mas que continua a merecer ser amado. Nós nos esforçamos árduamente para tentar perceber estas pessoas que às vezes não concordam com as nossas perspectivas.

Mal-Entendidos

Estes factores todos têm contribuído para formar uma das experiências mais extraordinárias da nossa história, tal como, também tem originado muitos desafios. Eu tenho traçado grande parte destes desafios e percebi que todos eles vão dar a alguns temas comuns. Um destes temas é os mal-entendidos que têm origem na forma como muitas pessoas ouvem os nossos ensinamentos e os aplicam. Tal como qualquer movimento, seja espiritual, politico ou, o que for, as pessoas usam o que tu disseste e aplicam isso de uma forma que tu nunca sonhaste. Ás vezes, as coisas que as pessoas fazem em nome de algo que nós ensinámos é tão hilariante, enquanto outras vezes, é francamente estúpido. Eu tremo quando estas pessoas equivocadas nos citam como catalisadores de proezas loucas.

Outro grande problema no nosso movimento acontece quando pessoas inocentes usam o que nós dizemos fora do contexto. Este já me aconteceu, pessoalmente, tantas vezes que eu já deixei de contar. Frequentemente, pessoas citam-me no Facebook ou publicam um video no Youtube de três minutos de uma mensagem que eu preguei durante uma hora. É muito difícil dizer às pessoas que tu não disseste aquilo, mas tal como todas as conversas, o contexto, muitas das vezes, dita a definição.

Distorcendo a Verdade

Por outro lado, existem sempre pessoas maliciosas que trabalham no duro para enganar inúmeras pessoas, ao ignorar intencionalmente o contexto do nosso ensino para distorcer algum ponto. Eu não entendo mesmo, como é que estas pessoas vivem com elas próprias quando elas intencionalmente distorcem algo que nós ensinamos para destruir o nosso carácter ou comprometer o nosso ministério. Há pessoas que estão tão convencidas que nós somos uma seita que estão dispostas a sacrificar a sua própria integridade “para evitar que as pessoas se desviem.” Por exemplo, nós tivemos pessoas a escrever críticas negativas sobre os nossos livros, dos quais, nunca leram, criam blogs sobre a nossa fonte de rendimento ou sobre a forma como nós gastamos o nosso dinheiro onde não existe qualquer vestígio de verdade. Não concordar com uma pessoa é um coisa, mas mentir para ter razão é na verdade errado.

Nós pensamos mesmo que é importante dar às pessoas liberdade para discordar com aquilo que nós ensinamos ou praticamos sem que eles se sintam que estão a ser desleais ou desrespeitáveis. Nós temos fortes sentimentos sobre alguns temas que até são contrários àquilo que bons amigos nossos acreditam. Mas nós não queremos estar certos à custa de estarmos juntos. Se Jesus tivesse apenas relacionamentos com pessoas que fossem perfeitas a nível de doutrina… bem, então eu seria a única pessoa com que Ele passaria o tempo. Lol

Se gostarias de subscrever à minha newsletter, inscreve-te aqui: https://krisvallotton.com/

Tens estado envolvido numa Cultura de I&D? Conta-me sobre a tua experiência nos comentários abaixo.

Topics: LiderançaSem categoria


¡

comments